Livros Terceiros
Super Kits
Banner Laterial - Mega Autores - Lançamentos

Manual de Processo Penal e Execução Penal - 9ªEd.

Autores: Guilherme de Souza Nucci
Editora: Revista dos Tribunais
  • avalie
  • compartilhe
"O Manual de Processo Penal e Execução Penal atinge a nona edição, após a vigência das Leis 12.403/2011 (Prisão, Medidas Cautelares e Liberdade Provisória) e 12.433/2011 (Remição da Pena), quando já havíamos comentado as alterações legislativas na oitava edição. Portanto, buscamos aperfeiçoar a análise de ambos os novéis institutos, à luz da doutrina e da jurisprudência, cuja abordagem caminha para estabelecer alguns parâmetros mais seguros na interpretação das novidades.
Porém, aproveitamos o ensejo para inserir novos tópicos, contendo matéria polêmica e inédita, tais como a detração no contexto das medidas cautelares alternativas, a transmissão ao vivo dos julgamentos realizados pelo Tribunal do Júri, o cometimento de falta grave pelo preso e a sua influência no direito de visita, o conceito e a avaliação do alcance do erro judiciário, dentre outros.
A par disso, acrescemos comentários no capítulo das provas, especificando temas como documentos, indícios, testemunhas, perícia etc.
A obra foi cuidadosamente revisada, como de hábito, sempre contando com os mais recentes posicionamentos do autor, agregado à moderna jurisprudência dos tribunais pátrios."
(Da Apresentação à 9.ª edição.)
ISBN: 978-85-203-4364-7
Código de Barras: 9788520343647
Páginas: 1088
Peso: 1.421,00 gr
Edição nº 9
Ano de publicação: 2012

Manual de Processo Penal e Execução Penal

Apresentação à 9.ª edição

Apresentação à 8.ª edição

Apresentação à 7.ª edição

Apresentação à 6.ª edição

Apresentação à 5.ª edição

Apresentação à 4.ª edição

Apresentação à 3.ª edição

Apresentação à 2.a edição

Apresentação à 1.a edição

 

Capítulo I

Constituição, democracia e princípios constitucionais

1.  Constituição

2.  Democracia

3.  Princípios constitucionais

Síntese

Capítulo II

Direitos e garantias humanas fundamentais

1.  Conceito, importância e diferenças

2.  Supremacia da Constituição sobre a legislação em geral

Síntese

 

Capítulo III

Processo penal no Estado Democrático de Direito

1.  Conceito de processo penal

2.  O processo penal democrático

Síntese

 

Capítulo IV

Princípios do processo penal

1.  Introdução

2.  Princípios regentes: dignidade da pessoa humana e devido processo legal

3.   Princípios constitucionais explícitos do processo penal

3.1  Concernentes ao indivíduo

3.1.1  Princípio da presunção de inocência

3.1.1.1   Princípios consequenciais da prevalência do interesse do réu (in dubio pro reo, favor rei, favor inocentiae, favor libertatis) e da imunidade à autoacusação

3.1.2  Princípio da ampla defesa

3.1.3  Princípio da plenitude de defesa

3.2  Concernente à relação processual

3.2.1  Princípio do contraditório

3.3  Concernentes à atuação do Estado

3.3.1  Princípio do juiz natural e imparcial e princípio consequencial da iniciativa das partes

3.3.2  Princípio da publicidade

3.3.3  Princípio da vedação das provas ilícitas

•  Ponto relevante para debate: A ilegitimidade da utilização da psicografia como prova no processo penal

3.3.4  Princípio da economia processual e princípios correlatos e consequenciais da duração razoável do processo e da duração razoável da prisão cautelar

3.3.5   Princípios regentes do Tribunal do Júri

3.3.5.1  Sigilo das votações

3.3.5.2  Soberania dos veredictos

3.3.5.3  Competência para o julgamento dos crimes dolosos contra a vida

3.3.6   Princípio da legalidade estrita da prisão cautelar

4.  Princípios constitucionais implícitos do processo penal

4.1  Concernente à relação processual

4.1.1  Princípio do duplo grau de jurisdição

4.2  Concernentes à atuação do Estado

4.2.1  Princípio do promotor natural e imparcial

4.2.2  Princípio da obrigatoriedade da ação penal pública e princípio consequencial da indisponibilidade da ação penal

4.2.3  Princípio da oficialidade

4.2.4  Princípio da intranscendência

4.2.5  Princípio da vedação do duplo processo pelo mesmo fato

5.  Princípios meramente processuais penais

5.1  Concernentes à relação processual

5.1.1  Princípio da busca da verdade real

5.1.2  Princípio da oralidade e princípios consequenciais da concentração, da imediatidade e da identidade física do juiz

5.1.3  Princípio da indivisibilidade da ação penal privada

5.1.4  Princípio da comunhão da prova

5.2  Concernentes à atuação do Estado

5.2.1  Princípio do impulso oficial

5.2.2  Princípio da persuasão racional

5.2.3   Princípio da colegialidade

Síntese

 

Capítulo V

Sistemas de processo penal

1.  Sistema inquisitivo

2.  Sistema acusatório

3.  Sistema misto

4.  Opção do sistema processual brasileiro

•  Ponto relevante para debate: Justiça Retributiva versus Justiça Restaurativa

Síntese

 

Capítulo VI

Fontes do processo penal e interpretação da lei processual penal

1.  Conceito de fonte

2.  Fontes materiais

3.  Fontes formais

4.  Interpretação da lei processual penal

Síntese

 

Capítulo VII

Aplicação da lei processual penal no espaço

1.  Princípio da territorialidade

2.  Conceito de tratado e convenção

3.  Regras de direito internacional

4.  Exceção à regra da territorialidade

5.  Conflito entre tratado e direito interno

6.  Normas internacionais relativas aos direitos humanos fundamentais

7.  Jurisdição política

8.  Justiça Especial

9.  Tribunal de Segurança Nacional

10.  Legislação especial

Síntese

 

Capítulo VIII

Aplicação da lei processual penal no tempo

1.  Regra geral

2.  Normas processuais penais materiais

Síntese

 

Capítulo IX

Inquérito policial e outras formas de investigação

1.  Introdução

2.  Conceito de inquérito policial

3.  Polícia judiciária

4.  Outras investigações criminais

•  Ponto relevante para debate: A possibilidade de o Ministério Público
realizar investigação criminal

5.  A classificação das infrações penais pela autoridade policial

6.  Início do inquérito policial

7.  Identificação da espécie de ação penal para efeito de investigação

8.  Notitia criminis

9.  Delatio criminis

10.  Investigações criminais contra autoridades com prerrogativa de foro

11.  Requisição, requerimento e representação

12.  Negativa de cumprimento à requisição

13.  Conteúdo da requisição, do requerimento e da representação

14.  Recusa da autoridade policial à instauração do inquérito quando oferecido requerimento do ofendido e a questão da denúncia anônima

15.  Procedimento da autoridade policial

16.  Indiciamento e constrangimento ilegal

17.  Requisição de indiciamento

18.  Motivação do indiciamento

19.  O indiciado como objeto da investigação

20.  Regras do interrogatório

21.  Identificação criminal: dactiloscópica e fotográfica

22.  Reconstituição do crime

23.  Prazo para a conclusão do inquérito

24.  Contagem dos prazos

25.  Cômputo do período de prisão temporária

26.  Prisão preventiva decretada durante o inquérito policial

27.  Instrumentos do crime e objetos de prova

28.  Particularidades do inquérito policial

28.1  Inquisitivo

28.2  Sigiloso

28.3  Incomunicabilidade do indiciado

29.  Relatório final

30.  Indeferimento de novas diligências requeridas pelo Ministério Público

31.  Inquérito como base da denúncia ou queixa e sua dispensabilidade

32.  Termo circunstanciado

33.  Curador

34.  Arquivamento do inquérito e outras providências

34.1  Controle do arquivamento do inquérito policial e de peças de informação

34.2  Utilização do art. 28 do CPP no caso da suspensão condicional do processo

34.3  Requerimento de arquivamento em competência originária

34.4  Arquivamento de inquérito de crimes contra a economia popular ou contra a saúde pública

34.5  Recurso institucional contra arquivamento promovido pelo Procurador-Geral

34.6  Obrigatoriedade de oferecimento de razões e o denominado arquivamento implícito

34.7  Arquivamento indireto

34.8  Arquivamento requerido pelo Ministério Público Federal

34.9  Determinação de retorno dos autos de inquérito à polícia para novas diligências

35.  Trancamento do inquérito policial

36.  Prosseguimento das investigações após o encerramento do inquérito

Síntese

 

Capítulo X

Ação Penal

1.  Fundamento constitucional

2.  Conceito de ação penal

3.  Espécies de ação penal

4.  Ação penal popular

5.  Processo, procedimento e pressupostos processuais

6.  Início da ação penal

7.  Condições genéricas da ação penal

7.1  Possibilidade jurídica do pedido

7.2  Interesse de agir

•  Ponto relevante para debate: A influência da prescrição virtual no interesse de agir

7.3  Legitimidade de parte

7.4  A justa causa para a ação penal

8.  Condições específicas da ação penal

9.  Representação do ofendido

10.   Requisição do Ministro da Justiça

11.   Ação penal privada e suas particularidades

11.1  Decadência

11.2  Renúncia

11.3  Perdão

11.4  Perempção

11.5  Ação privada subsidiária da pública

11.6  Espécies de ação privada

11.7  Sucessão e menoridade no contexto do oferecimento de queixa

11.8  Situação de pobreza e exercício de cidadania

12.   Conteúdo e formalidades da denúncia ou queixa

12.1  Denúncia ou queixa genérica

12.2  Denúncia ou queixa alternativa

12.3  Concisão da denúncia ou queixa

12.4  Retificação da denúncia ou queixa no seu recebimento

12.5  Rejeição da denúncia ou queixa pelo juiz e recebimento pelo tribunal

12.6  Recebimento ou rejeição parcial da denúncia ou queixa

•  Ponto relevante para debate: A fundamentação da decisão que recebe
a denúncia ou a queixa

12.7  Poderes especiais para o ingresso de queixa

12.8  Exigência de prova pré-constituída para instruir a queixa

12.9  Aditamento da queixa pelo Ministério Público

12.10  Intervenção do Ministério Público na ação penal privada

12.11  Prazo para o oferecimento de denúncia e modo de contagem

13.  Reconhecimento da extinção da punibilidade

13.1  Morte do réu

13.2  Certidão de óbito falsa

Síntese

 

Capítulo XI

Ação civil ex delicto

1.  Conceito

2.  Separação da jurisdição

3.  Sentença condenatória como título executivo

4.  Sentença concessiva de perdão judicial

5.  Decisão de extinção da punibilidade pela prescrição ou outra causa

6.  Revisão criminal

7.  Extensão do ressarcimento do dano

8.  Responsabilidade civil de terceiro e devido processo legal

9.  Excludentes de ilicitude e formação da coisa julgada no cível

10.  Existência de sentença absolutória penal

11.  Vítima pobre e legitimidade de agir do Ministério Público

•  Ponto relevante para debate: A eventual revogação do art. 68 do Código de Processo Penal pelo Estatuto da Advocacia

Síntese

 

Capítulo XII

Jurisdição e competência

1.  Conceito de jurisdição

2.  Princípios regentes da jurisdição criminal

•  Ponto relevante para debate: Sobre a indelegabilidade da jurisdição

3.  Conceito de competência

4.  Competência absoluta e competência relativa

5.  Quadro geral de competência

6.  O lugar da infração penal como regra geral para a competência do foro

6.1  O domicílio ou residência do réu como foro supletivo

6.2  A matéria como regra específica de competência

•  Ponto relevante para debate: O conflito de competência entre a Justiça Eleitoral e o Tribunal do Júri

6.3  A prerrogativa de foro como regra específica de competência

6.3.1  Competência originária decorrente da prerrogativa de função ou da matéria

6.3.2  Notas especiais em relação à competência excepcional de prerrogativa de função

6.3.2.1 Magistrados e membros do Ministério Público

•  Ponto relevante para debate: A conciliação entre o foro privilegiado decorrente da prerrogativa de função e a competência constitucional do Tribunal do Júri

6.3.2.2  Perpetuação da jurisdição em casos de foro privilegiado

6.3.2.3  Extensão do foro privilegiado às ações de improbidade administrativa

6.3.2.4  Exceção da verdade nos crimes contra a honra

•  Ponto relevante para debate: Sobre a aplicação do art. 85 do Código de Processo Penal à hipótese da difamação

6.3.3  Notas especiais em relação à competência excepcional quanto à matéria

6.3.3.1  Pontos relevantes acerca da Justiça Militar

6.3.3.2  A competência especial do juiz da execução penal

6.4  A distribuição como alternativa à competência cumulativa supletiva

6.5  Conexão e continência como regras de alteração de competência

6.5.1  Conceito de conexão

6.5.2  Conexão material e conexão processual

6.5.3  Conexão e continência no contexto das infrações de menor potencial ofensivo

6.5.4  Espécies de conexão

6.5.4.1  Conexão intersubjetiva por simultaneidade

6.5.4.2  Conexão intersubjetiva por concurso

6.5.4.3  Conexão intersubjetiva por reciprocidade

6.5.4.4  Conexão objetiva

6.5.4.5  Conexão instrumental

6.5.5  Conceito de continência

6.5.5.1  Continência em razão do concurso de pessoas

6.5.5.2  Diferença da continência por concurso de pessoas e da conexão por concurso

6.5.5.3  Continência em razão do concurso formal de crimes

6.5.6  Diferença entre crime único, conexão e continência

6.6  A prevenção como critério residual de fixação de competência

7.  Regras para a eleição do foro prevalente

7.1  Competência prevalente do júri

7.1.1  Descoberta da conexão ou continência após a prolação da sentença de pronúncia

7.1.2  Conexão e continência, prerrogativa de foro e júri

7.2  Jurisdição da mesma categoria

7.3  Jurisdição de categoria diversa

7.3.1  Exceção à regra quando a competência for estabelecida pela Constituição

7.4  Jurisdição comum e especial

7.4.1  Força atrativa da Justiça Federal em face da Justiça Estadual

7.4.2  Justiça Federal e contravenção penal

8.  Exceções à regra da junção dos processos em caso de conexão e continência

8.1  Jurisdição comum e jurisdição militar

8.2  Justiça comum e Justiça da Infância e Juventude

8.3  Separação dos processos em face da superveniência de doença mental

8.4  Impossibilidade de julgamento de réu ausente

8.5  Separação dos processos em razão da recusa de jurados

9.  Separação facultativa dos processos

9.1  Separação facultativa em caso de tempo ou lugar diferenciado

9.2  Separação facultativa em virtude do excessivo número de acusados

9.3  Separação facultativa em face de motivo relevante

10.  Perpetuação da jurisdição em casos de conexão e continência

•  Ponto relevante para debate: A composição lógica das regras previstas nos arts. 81, 82 e 492, § 1.º, do Código de Processo Penal

11.  Conexão e continência no contexto das investigações policiais

12.  Autoridade de jurisdição prevalente

13.  Regras de aplicação da lei processual penal no espaço

13.1  Crimes a bordo de embarcações

13.2  Crimes a bordo de aeronaves

13.3  Regra residual de competência

Síntese

 

Capítulo XIII

Incidentes processuais

1.  Introdução e conceitos

2.  Questões prejudiciais

2.1  Diferença entre questão prejudicial e questão preliminar

2.2  Prejudiciais homogêneas e heterogêneas

2.3  Prejudiciais obrigatórias e facultativas

2.3.1  Prejudiciais obrigatórias

2.3.2  Prejudiciais facultativas

2.4  Prejudiciais devolutivas e não devolutivas

3.  Procedimentos incidentes

3.1  Exceções

3.1.1  Exceções de suspeição e de impedimento

3.1.2  Rol de causas de suspeição e de impedimento

3.1.3  Afirmação da suspeição ou impedimento de ofício

3.1.4  Procedimento para a recusa do juiz

3.1.5  Procedimento do juiz

3.1.6  Consequências da procedência da exceção

3.1.7  Suspeição ou impedimento em tribunal

3.1.8  Suspeição ou impedimento de membro do Ministério Público

3.1.9  Suspeição ou impedimento de peritos e outros auxiliares

3.1.10  Suspeição ou impedimento no Tribunal do Júri

3.1.11  Suspeição ou impedimento das autoridades policiais

3.1.12  Exceção de incompetência

3.1.13  Formalidades para a interposição da exceção de incompetência

3.1.14  Exceção de litispendência

3.1.15  Formalidades para a interposição da exceção de litispendência

3.1.16  Exceção de ilegitimidade de parte

3.1.17  Formalidades para a interposição da exceção de ilegitimidade de parte

3.1.18  Exceção de coisa julgada

3.1.19  Coisa julgada material e coisa julgada formal

3.1.20  Coisa julgada e coisa soberanamente julgada

3.1.21  Limites da coisa julgada

3.1.22  Formalidades para a interposição da exceção de coisa julgada

3.1.23  Petição única contendo mais de uma exceção

3.2  Incompatibilidades e impedimentos

3.2.1  Consequência do impedimento

3.3  Conflito de competência

3.3.1  Conflito de atribuição

3.3.2  Falso conflito de atribuição

3.3.3  Conflito em decorrência de conexão e continência

3.3.4  Procedimento para o conflito de competência

3.3.5  Outras possibilidades de conflito de competência

3.3.6  Desaparecimento do conflito antes do julgamento pelo Tribunal

3.3.7  Suspensão do processo em caso de conflito

3.4  Restituição de coisas apreendidas

3.4.1  Procedimento da restituição de coisas apreendidas

3.4.2  Apreensão de coisa adquirida com os proventos da infração

3.4.3  Prazo máximo para requerer a restituição

3.5  Medidas assecuratórias

3.5.1  Sequestro

3.5.1.1  Requisito fundamental para o sequestro

3.5.1.2   Procedimento do sequestro

3.5.1.3   Levantamento do sequestro

3.5.2  Especialização de hipoteca legal

3.5.2.1   Procedimento para a especialização

3.5.3  Arresto de bens móveis para garantia de indenização e despesas

3.5.3.1 Procedimento do arresto dos bens móveis

3.5.4  Finalização da especialização e do arresto

3.6  Incidente de falsidade

3.6.1  Procedimento do incidente de falsidade

3.6.2  Sobre os termos falsidade e documento

3.6.3  Efeitos limitados da decisão do incidente

3.7  Incidente de insanidade mental

3.7.1  Procedimento do incidente de insanidade mental

3.7.2  Internação do indiciado ou acusado em estabelecimento apropriado

3.7.3  Suspensão do processo em caso de superveniência de doença mental

•  Ponto relevante para debate: A possibilidade de internação por prazo indeterminado antes da conclusão do processo

3.8  Incidente de ilicitude de prova

Síntese

 

Capítulo XIV

Provas

1.  Conceito e sentido de prova

2.  Meios de prova

2.1  Prova emprestada

2.2  Provas ilícitas

3.  Finalidade e objeto da prova

4.  Ônus da prova

4.1  Momentos cabíveis para a produção de provas determinadas pelo juiz

5.  Sistemas de avaliação da prova

6.  Exame de corpo de delito e perícias em geral

6.1  Disposições gerais

6.2  Diferença entre corpo de delito e exame de corpo de delito

6.3  Confissão e corpo de delito

6.4  Formalização do laudo pericial

6.5  Autópsia (ou necropsia)

6.6  Exumação e inumação

6.7  Exame de corpo de delito em caso de lesões corporais

6.8  Exame de local

6.9  Exame laboratorial

•  Ponto relevante para debate: A inexigência da colaboração do réu para a realização dos exames de laboratório, fornecendo material

6.10  Perícia em furto qualificado e crimes afins

6.11  Laudo de avaliação

6.12  Exame de local de incêndio

6.13  Exame de reconhecimento de escritos (grafotécnico)

6.14  Exame dos instrumentos do crime

6.15  Quesitos na realização de perícia

6.16  Exame por precatória

6.17  Divergência entre peritos e vinculação do juiz à prova pericial

6.18  Indeferimento da produção de prova pericial

7.  Interrogatório

7.1  Conceito

7.2  Natureza jurídica do interrogatório

7.3  Obrigatoriedade do interrogatório

7.4  Interrogatório da pessoa jurídica

7.5  Presença do defensor

7.6  Interrogatório de réu preso

•  Ponto relevante para debate: O interrogatório por meio de videoconferência e a ampla defesa

7.6.1   Requisitos para a realização do interrogatório por videoconferência

7.6.2  Procedimento para o uso da videoconferência

7.6.3  Outros atos processuais e videoconferência

7.7  Efetividade da ampla defesa e a interferência do defensor antes do interrogatório

7.8  Classificação do interrogatório

7.9  Direito do acusado ou indiciado ao silêncio

7.10  Procedimento do interrogante e do interrogado

7.11  Colaboração das partes no interrogatório

7.12  Interrogatório em separado

7.13  Formas especiais de interrogatório

7.14  Curador ao réu menor de 21 anos e outros incapazes

7.15  Formalização do interrogatório

7.16  Renovação do interrogatório

8.  Confissão

8.1  Conceito de confissão

8.2  Natureza jurídica e objeto da confissão

8.3  Espécies de confissão

8.4  Valor e fundamentos da confissão

8.5  Conceito de delação

•  Ponto relevante para debate: Prós e contras da delação premiada

8.5.1  A delação premiada e suas fontes legais

8.6  Critérios de avaliação da confissão e confronto com outras provas

8.7  Silêncio como elemento para o convencimento do juiz

8.8  Divisibilidade da confissão

8.9  Retratabilidade da confissão

9.  Do ofendido

9.1  Conceito de ofendido

9.2  Diversidade entre ofendido e testemunha

9.3  Obrigatoriedade da sua inquirição

9.4  Valor probatório da palavra da vítima

9.5  Reperguntas ao ofendido

9.6  Vítima não comete falso testemunho

9.7  Condução coercitiva e processo por desobediência

9.8  Comunicação dos atos processuais ao ofendido

9.9  Assistência ao ofendido

9.10  Preservação da intimidade do ofendido

10.  Prova testemunhal

10.1  Conceito de testemunha

10.2  Natureza jurídica

10.3  Classificação das testemunhas

10.4  Informante ou declarante

10.5  Pessoa como testemunha

10.6  Depoimento do menor inimputável comparsa do réu

10.7  Corréu como testemunha

10.8  Testemunho único

10.9  A importância do compromisso

10.10  Proteção à testemunha

10.11  Recusa da testemunha em fornecer dados qualificadores ou grau de parentesco ou afinidade

10.12  Recusa em depor

10.13  Formalidades da colheita do depoimento

10.14  Obrigação de depor e possibilidades legais de recusa

10.15  Proibição de depor

10.16  Impedimento legal para o compromisso

10.17  Produção de prova testemunhal pelo juiz e pelo Ministério Público

10.18  Colheita dos depoimentos em separado

10.19  Finalização do sistema presidencialista de inquirição

•  Ponto relevante para debate: A ordem de inquirição e a geração de nulidade

10.20  Apreciação pessoal da testemunha

10.21  Contradita

10.22  Redação do depoimento

10.23  Influência do acusado na colheita do depoimento

10.24  Regularidade da intimação da testemunha

10.25  Depoimento por carta precatória, de ordem ou rogatória

10.26  Obrigatoriedade de participação do intérprete

10.27  Ausência, enfermidade e velhice da testemunha

11.  Reconhecimento de pessoas e coisas

11.1  Conceito de reconhecimento

11.2  Natureza jurídica

11.3  Reconhecimento fotográfico

11.4  Formalidades para o reconhecimento

11.5  Valor do reconhecimento como meio de prova

11.6  Reconhecimento informal

11.6.1  Reconhecimento por meio de videoconferência

11.7  Reconhecimento de coisa

11.8  Reconhecimento coletivo ou em grupo

11.9   Reconhecimento de imagens e vozes

12.  Acareação

12.1  Conceito de acareação

12.2  Natureza jurídica

12.3  Valor da acareação

12.4  Admissibilidade da acareação

12.5  Objeto da acareação

12.6  Requerimento das partes ou procedimento de ofício

12.7  Procedimento do magistrado na condução da acareação

12.8  Acareação à distância

13.  Prova documental

13.1  Conceito de documento

13.2  Regra para apresentação de documentos no processo

13.3  Documento nominativo e anônimo

13.4  Fotografia do documento

13.5  Valoração e licitude do documento

13.6  Diligência de ofício

13.7  Documentos em língua estrangeira e a pública-forma

13.8  Finalização do processo e destino dos documentos

13.9  Documento e “documentação”

14.  Prova indiciária

14.1  Conceito de indício

14.2  Indução

14.3  Integração entre indução e dedução

14.4  Valor probatório dos indícios

14.5  Diferença entre indício e presunção

14.6  Contraindícios

•  Ponto relevante para debate: A formação do corpo de delito por indícios

15.  Busca e apreensão

15.1  Conceito de busca e apreensão

15.2  Natureza jurídica

15.3  Momentos para a sua realização

•  Ponto relevante para debate: A busca e apreensão determinada por Comissão Parlamentar de Inquérito

15.4  Regras especiais de busca e apreensão

15.5  Fundamento e proteção constitucional da busca em domicílio

15.6  Fundamento e proteção constitucional da busca pessoal

15.7  Mandado judicial certo e determinado

•  Ponto relevante para debate: A licitude da abertura das cartas fechadas, encontradas no domicílio do acusado, verificando-se a utilidade do seu conteúdo para a formação da prova

15.8  Exigência do mandado judicial para a polícia

•  Ponto relevante para debate: A validade da prisão em flagrante, após a constatação de crime permanente, quando do ingresso abusivo em domicílio

15.9  Requisitos do mandado de busca e provocação para sua expedição

15.10  Dispensa do mandado de busca pessoal

15.11  Formalidades para a realização de busca domiciliar

•  Ponto relevante para debate: O cumprimento do mandado de busca e apreensão pela Polícia Militar

•  Ponto relevante para debate: A legitimidade da diligência de localização de outros objetos ilícitos, completamente fora do objetivo estipulado no mandado de busca, permitindo a descoberta de delito ignorado

15.12  Locais equiparados a domicílio

15.13  Busca em território alheio

Síntese

 

Capítulo XV

As partes no processo penal

1.  Juiz

1.1  O juiz como sujeito da relação processual

1.2  Sujeitos e partes secundárias na relação processual e terceiros

1.3  Regularidade do processo e princípio do impulso oficial

1.4  Jurisdição como atributo fundamental da função do juiz e impedimentos

1.5  Suspeição do juiz

1.6  Cessação e manutenção do impedimento ou suspeição

1.7  Criação proposital de animosidade por má-fé

2.  Ministério Público

2.1  O Ministério Público como sujeito e parte na relação processual

2.2  Impedimento do representante do Ministério Público

2.3  Funções principais no processo penal

3.  Acusado

3.1  O acusado como parte na relação processual

3.2  Indisponibilidade do direito de defesa

3.3  Inviabilidade de se exigir a colaboração do réu na produção de prova

4.  Defensor

4.1  Critérios para nomeação, situação no processo e autodefesa

4.2  Desligamento da causa, ausência momentânea e defesa ad hoc

4.3  Nomeação no termo e impedimento

5.  Curador

6.  Assistência

6.1  Assistente de acusação

6.2  Intervenção do ofendido

6.3  Intervenção de outras pessoas como assistente de acusação

6.4  Intervenção da Ordem dos Advogados do Brasil em processos criminais nos polos ativo e passivo

6.5  Recebimento da causa no estado em que estiver

6.6  Corréu como assistente

6.7  Atribuições do assistente

•  Ponto relevante para debate: Sobre a possibilidade de o assistente de acusação arrolar testemunhas

6.8  Oposição do Ministério Público à admissão do assistente

7.  Funcionários da Justiça

7.1  Denominação

7.2  Suspeição

8.  Peritos e intérpretes

8.1  Perito

8.2  Intérprete

8.3  Juiz atuando como perito ou intérprete

8.4  Disciplina judiciária do perito

8.5  Não intervenção das partes na nomeação do perito e sua atuação obrigatória­

8.6  Impedimento dos peritos

8.7  Suspeição dos peritos

Síntese

 

Capítulo XVI

Prisão e liberdade provisória

1.  Conceito de prisão

2.  Fundamento constitucional da prisão

3.  Espécies de prisão processual cautelar

4.  Controle da legalidade da prisão

5.  Conceito de liberdade provisória

6.  Fundamento constitucional da liberdade provisória

7.  Formalidades da prisão

•  Ponto relevante para debate: A inconstitucionalidade e ilegitimidade da prisão especial

8.  Análise das modalidades de prisão cautelar

8.1  Prisão temporária

•  Ponto relevante para debate: A prisão para averiguação

8.2  Prisão em flagrante

8.2.1  Flagrante facultativo e flagrante obrigatório

•  Ponto relevante para debate: A prisão em flagrante nos crimes de ação privada ou pública condicionada

8.2.2  Flagrante próprio ou perfeito

8.2.3  Flagrante impróprio ou imperfeito

8.2.4  Flagrante presumido

8.2.5  Flagrante preparado ou provocado

8.2.6  Flagrante forjado

8.2.7  Flagrante esperado

8.2.8  Flagrante diferido ou retardado

8.2.9  Flagrante nos crimes permanentes e habituais

8.2.10  Formalidades para a lavratura do auto de prisão em flagrante

•  Ponto relevante para debate: A efetividade do direito ao silêncio em face da prisão em flagrante

•  Ponto relevante para debate: O relaxamento da prisão em flagrante promovido pela autoridade policial

•  Ponto relevante para debate: A apresentação espontânea do autor do delito à autoridade policial e a prisão em flagrante

8.2.11  Controle jurisdicional da prisão em flagrante

8.3  Prisão preventiva

8.3.1  Momento da decretação e período de duração

8.3.2  Requisitos para a decretação da prisão preventiva

8.3.3  Fundamentação da prisão preventiva

8.3.4  Circunstâncias legitimadoras e circunstâncias impeditivas da prisão preventiva

8.3.5  Modificações fáticas da situação determinante da prisão ou da soltura do réu

8.3.6  A apresentação espontânea do acusado

8.4  Prisão decorrente de pronúncia

8.5  Prisão decorrente de sentença condenatória recorrível

•  Ponto relevante para debate: A prisão para recorrer, o tempo de espera para o julgamento da apelação e o princípio da razoabilidade

8.6  Medidas cautelares alternativas à prisão

8.6.1   Espécies de medidas cautelares

8.6.2   Requisitos para a decretação das medidas cautelares

8.6.3   Aplicação do contraditório e da ampla defesa

8.6.4   Descumprimento da medida cautelar alternativa

•  Ponto relevante para debate: A decretação da prisão preventiva, para qualquer crime, em caso de descumprimento de medida cautelar alternativa

8.6.5  A detração no contexto das medidas cautelares alternativas

8.7  Prisão domiciliar

9.  Liberdade provisória

9.1  Liberdade provisória com fiança

9.1.1  Hipóteses que vedam a concessão de fiança

9.1.2  Valor da fiança

9.1.3  Condições da fiança

9.1.4  Fiança definitiva

9.1.5  Consequências possíveis da fiança

10.  Liberdade provisória sem fiança

10.1  Inviabilidade de concessão da liberdade provisória e contradição do sistema­

10.2  Definição jurídica do fato e liberdade provisória

Síntese

 

Capítulo XVII

Citação e intimação

1.  Conceito de citação

2.  Formas de citação

2.1  Citação por mandado

2.1.1  Conteúdo do mandado de citação e demais formalidades

2.2  Citação do militar

2.3  Citação do funcionário público

2.4  Citação do réu preso

2.5  Citação por edital e por hora certa

2.5.1  Conteúdo do edital

3.  Suspensão do processo e da prescrição

•  Ponto relevante para debate: A suspensão do processo em face de citação por hora certa

•  Ponto relevante para debate: A inexistência de revelia, a ausência e seus efeitos no processo penal

4.  Conceito de intimação

5.  Procedimento para as intimações

Síntese

 

Capítulo XVIII

Sentença

1.  Conceito de sentença

2.  Outros atos jurisdicionais

3.  Natureza jurídica da sentença

4.  Outras classificações

5.  Conteúdo da sentença

6.  Modificação da definição jurídica do fato

7.  Correlação entre acusação e sentença

•  Ponto relevante para debate: O princípio da ampla defesa e a alteração da definição jurídica do fato, promovida pelo juiz, na sentença

8.  Descoberta de elementar que provoque a alteração da definição jurídica do fato

9.  Independência do juiz para julgar

10.  Absolvição vinculada

11.  Elementos da sentença condenatória

•  Ponto relevante para debate: A fixação do valor mínimo para a reparação civil do dano causado pela infração penal

12.  Publicação e intimação da sentença

13.  Efeitos da sentença condenatória

Síntese

 

Capítulo XIX

Procedimentos

1.  Processo e procedimento

2.  Procedimento e devido processo legal

•  Ponto relevante para debate: A regionalização dos procedimentos em processo penal

3.  Procedimento comum e procedimento especial

4.  Procedimento comum

4.1  Procedimento ordinário

4.2  Procedimento sumário

4.3  Procedimento sumaríssimo

5.  Procedimentos especiais

5.1  Aplicação da Lei 9.099/95 aos procedimentos especiais

5.2  Modificações introduzidas pela Lei 10.259/2001 e confusão legislativa

5.3  Adoção do procedimento previsto na Lei 9.099/95 para os crimes contra idosos

5.4  Procedimento dos crimes falimentares

5.5  Procedimento dos crimes de responsabilidade dos funcionários públicos

5.6  Procedimento dos crimes contra a honra

5.7  Procedimento dos crimes contra a propriedade imaterial

5.8  Procedimento de restauração de autos extraviados ou destruídos

Síntese

 

Capítulo XX

Tribunal do Júri

1.  Origem histórica do Tribunal do Júri

2.  O Júri na Constituição Federal

3.  O Tribunal do Júri como órgão do Poder Judiciário

4.  Competência constitucional para o julgamento dos crimes dolosos contra a vida

5.  A formação da culpa no procedimento do júri

6.  O procedimento especial do júri e a fase de avaliação da admissibilidade da acusação

7.  Pronúncia

7.1  Requisitos para a pronúncia

7.2  Conteúdo da decisão de pronúncia e sua influência sobre os jurados

•  Ponto relevante para debate: A extensão da fundamentação da decisão de pronúncia

7.3  Os crimes conexos na pronúncia

7.4  Alteração da classificação do crime

7.5  Possibilidade de correção da pronúncia

8.  Impronúncia

•  Ponto relevante para debate: A conveniência ou inconveniência da impronúncia

9.  Desclassificação da infração penal

•  Ponto relevante para debate: A possibilidade de haver conflito negativo de competência após a desclassificação

10.  Absolvição sumária

•  Ponto relevante para debate: A absolvição sumária proferida por juiz togado e a competência constitucional do Tribunal do Júri para julgar os crimes dolosos contra a vida

11.  Intimação da pronúncia

12.  Libelo crime-acusatório

12.1  Conceito

•  Ponto relevante para debate: A eliminação do libelo

13.  Fase de preparação do Plenário

13.1  Justificação

13.2  Desaforamento

13.3  Supressão de nulidade

13.4  Providências para o julgamento

14.  Organização e composição do Tribunal do Júri e função do jurado

14.1  Organização do Júri

•  Ponto relevante para debate: A composição do Tribunal do Júri e a garantia de ocorrência de um julgamento imparcial do réu pelos próprios pares

14.2  Composição do Júri

14.3  Função do jurado

15.  Julgamento em Plenário

15.1  Formalidades iniciais

•  Ponto relevante para debate: A legitimidade do empréstimo de jurados de um Plenário para outro, formando-se o quorum mínimo para o início da sessão de julgamento

•  Ponto relevante para debate: O alcance da publicidade do julgamento pelo Tribunal do Júri: a transmissão ao vivo pelos meios de comunicação

•  Ponto relevante para debate: O uso de algemas pelo réu em Plenário

15.2  Formação do Conselho de Sentença

15.3  Interrogatório do réu

15.4  Relatório do processo e leitura de peças

15.5  Produção da prova testemunhal

15.6  Debates

•  Ponto relevante para debate: Os acordos feitos pelas partes antes de iniciar o julgamento em Plenário e a soberania do Tribunal do Júri

•  Ponto relevante para debate: O direito ao aparte

•  Ponto relevante para debate: A inovação da tese da defesa durante a tréplica

•  Ponto relevante para debate: A vedação de referências a determinadas peças dos autos e situações ocorridas

15.7  Procedimento para o julgamento

•  Ponto relevante para debate: O julgamento realizado em sala secreta e o princípio constitucional da publicidade

15.8  Quesitos e questionário

15.8.1  Regras para a redação do questionário

•  Ponto relevante para debate: A viabilidade do quesito relativo à continuidade delitiva

•  Ponto relevante para debate: A elaboração de quesitos em relação às agravantes e atenuantes

•  Ponto relevante para debate: A iniciativa de fazer inserir o quesito do falso testemunho ou da falsa perícia no questionário

15.9  Votação em sala secreta

15.10   Sentença do Juiz Presidente

•  Ponto relevante para debate: A desclassificação imprópria e suas conse­quências na votação do questionário e no julgamento da causa

15.11   Ata do julgamento

15.12   Atribuições do Juiz Presidente do Tribunal do Júri

•  Ponto relevante para debate: O controle da eficiência da acusação pelo juiz presidente, do mesmo modo que faz no tocante à defesa

Síntese

 

Capítulo XXI

Nulidades

1.  Conceito

2.  Atos inexistentes e irregulares

3.  Princípios que regem as nulidades

3.1  Não há nulidade sem prejuízo

3.2  Não há nulidade provocada pela parte

3.3  Não há nulidade por omissão de formalidade que só interesse à parte contrária

3.4  Não há nulidade de ato irrelevante para o deslinde da causa

3.5  A nulidade de ato processual relevante pode desencadear a dos consequentes

4.  Desatendimento de normas constitucionais

5.  Nulidade em inquérito policial

6.  Divisão legal entre nulidades absolutas e relativas

7.  Espécies de nulidade absoluta

7.1  Incompetência

7.1.1  Coisa julgada e incompetência

7.1.2  Anulação dos atos decisórios em caso de incompetência territorial

7.2  Suspeição e impedimento

7.3  Suborno do juiz

7.4  Ilegitimidade de parte

7.5  Ausência de denúncia ou queixa e representação

7.6  Ausência do exame de corpo de delito

7.7  Ausência de defesa ao réu e de nomeação de curador

7.8  Falta de citação, ampla defesa e contraditório

7.9  Falta da sentença de pronúncia, do libelo e da entrega da sua cópia

7.10  Ausência do réu e realização da sessão

7.11  Quorum para a instalação da sessão do júri

7.12  Sorteio do Conselho de Sentença em número legal e incomunicabilidade dos jurados

7.13  Inexistência dos quesitos e suas respostas

7.14  Ausência de acusação e defesa no julgamento pelo Tribunal do Júri

7.15  Ausência da sentença

7.16  Ausência de processamento ao recurso de ofício

7.17  Ausência de intimação para recurso

7.18  Falta do quorum legal para a decisão

7.19  Quesitos ou respostas deficientes e contradição entre elas

8.  Espécies de nulidade relativa

8.1  Infringência à regra da prevenção

8.2  Falta de intervenção do Ministério Público

8.3  Falta de concessão de prazos à acusação e à defesa

8.4  Falta de intimação do réu para a sessão de julgamento do Júri, quando a lei não permitir que se faça com sua ausência

8.5  A não intimação das testemunhas arroladas no libelo e na contrariedade

8.6  Ausência da forma legal dos atos processuais

9.  Momento para arguição das nulidades relativas

10.  Convalidação das nulidades

Síntese

 

Capítulo XXII

Recursos

1.  Fundamento constitucional do recurso

2.  Conceito de recurso

3.  Natureza jurídica do recurso

4.  Características fundamentais dos recursos

5.  Efeitos dos recursos

6.  Recurso de ofício

7.  Particularidades gerais e aspectos formais dos recursos

7.1  Desvio da administração pública no processamento do recurso

7.2  Impossibilidade de desistência do recurso do Ministério Público

7.3  Múltipla legitimidade recursal

•  Ponto relevante para debate: A consequência da divergência entre o réu e seu defensor na apresentação de recurso

7.4  Interesse recursal

7.5  Pressupostos de admissibilidade dos recursos

7.6  Impedimentos ao processamento ou conhecimento dos recursos

7.7  Princípio da fungibilidade dos recursos

•  Ponto relevante para debate: O parecer do Ministério Público em grau de recurso e os princípios do contraditório, da ampla defesa e da igualdade processual

8.  Recurso em sentido estrito

8.1  Conceito

8.2  Cabimento

8.3  Processamento do recurso em sentido estrito

9.  Correição parcial

9.1  Conceito

9.2  Natureza jurídica da correição

•  Ponto relevante para debate: O respaldo constitucional da correição parcial e sua aplicação prática

9.3  Processamento

10.  Reclamação

10.1  Conceito de reclamação

10.2  Fundamento constitucional

10.3  Processamento da reclamação

11.  Agravo em execução criminal

11.1  Conceito de agravo em execução criminal

11.2  Rito do agravo

12.  Apelação

12.1  Conceito de apelação

12.2  Hipóteses de cabimento da apelação

12.3  Legitimidade recursal do Ministério Público e de terceiros

12.4  Processamento da apelação

12.5  Trâmite no tribunal

•  Ponto relevante para debate: A possibilidade de conciliar a vedação da reformatio in pejus e a soberania dos veredictos no Tribunal do Júri, quando houver nulidade do primeiro julgamento, reconhecida em apelação apresentada pelo réu

13.  Agravo nos tribunais

13.1  Conceitos

13.2  Processamento

14.  Protesto por novo júri

14.1  Conceito e razão histórica da sua existência

14.2  Inconveniência da manutenção do recurso e sua revogação

14.3  Consequências imediatas da sua revogação

15.  Embargos de declaração

15.1  Conceito e extensão

15.2  Processamento dos embargos de declaração

16.  Carta testemunhável

16.1  Conceito e natureza jurídica

16.2  Cabimento e processamento da carta testemunhável

17.  Embargos infringentes e de nulidade

17.1  Conceito

17.2  Processamento

18.  Recursos extraordinário e especial

18.1  Conceito de recurso extraordinário

18.2  Conceito de recurso especial

18.3  Distinção peculiar na aplicação do recurso especial e do extraordinário

18.4  Reexame de matéria de fato

18.5  Prazo e forma para a interposição dos recursos especial e extraordinário

18.6  Súmulas do STF e do STJ regulando a matéria

19.  Recurso ordinário constitucional

20.  Embargos de divergência

21.  Normas disciplinadoras da competência recursal

Síntese

 

Capítulo XXIII

Ações de impugnação

1.  Introdução

2.  Revisão criminal

2.1  Conceito de revisão criminal e natureza jurídica

2.2  Polos ativo e passivo na revisão criminal

2.3  Revisão criminal em confronto com outros princípios constitucionais

•  Ponto relevante para debate: A revisão criminal e a soberania dos veredictos no Tribunal do Júri

2.4  Hipóteses para o cabimento da revisão criminal

2.5  Ônus da prova, oportunidade e reiteração do pedido

2.6  Órgão competente para o julgamento da revisão criminal e processamento

•  Ponto relevante para debate: A possibilidade de libertação provisória do réu até o julgamento da revisão criminal

2.7  Indenização pelo erro judiciário

3.  Habeas corpus

3.1  Conceito de habeas corpus

3.2  Origem no Brasil

3.3  Ampliação do seu alcance

•  Ponto relevante para debate: O habeas corpus para anular o julgamento e a soberania dos veredictos do Tribunal do Júri

3.4  Natureza jurídica

3.5  Espécies de habeas corpus e restrições à sua utilização

3.6  Direito líquido e certo e hipóteses de cabimento

3.7  Competência para conhecer do habeas corpus

3.7.1  Regras gerais

3.7.2  Competência constitucional do Supremo Tribunal Federal

3.7.3  Competência constitucional do Superior Tribunal de Justiça

3.7.3.1 Prequestionamento em habeas corpus

3.7.4  Competência constitucional do Tribunal Regional Federal e dos juízes federais

3.7.5  Competência constitucional do Tribunal do Estado

3.7.5.1 Promotor de justiça como autoridade coatora

3.8  Legitimidade ativa e passiva

•  Ponto relevante para debate: O particular como “autoridade” coatora no polo passivo do habeas corpus

3.9  Formalidades e condições da impetração

3.10  Concorrência do habeas corpus com outra ação ou investigação

3.11  A medida liminar em habeas corpus e outras providências cautelares

3.12  Processamento do habeas corpus

•  Ponto relevante para debate: A restrição à produção de prova no habeas corpus

•  Ponto relevante para debate: O ônus da prova no habeas corpus

4.  Mandado de segurança

4.1  Conceito

4.2  Admissibilidade do mandado de segurança em matéria criminal

4.2.1   Competência constitucional do Supremo Tribunal Federal

4.2.2   Competência constitucional do Superior Tribunal de Justiça

4.2.3   Competência constitucional do Tribunal Regional Federal e dos juízes federais

4.2.4   Competência constitucional do Tribunal do Estado

4.3  Alguns aspectos do processamento

4.3.1  Medida liminar

4.3.2  Sujeitos ativo e passivo

4.3.3  Petição inicial

4.3.4  Litisconsórcio necessário

4.3.5  Direito líquido e certo

4.3.6  Prazo para ajuizamento

4.3.7  Custas, despesas e honorários

4.3.8  Efeitos da sentença sobre a liminar

4.3.9  Participação do Ministério Público

4.3.10  Recursos cabíveis

Síntese

 

Capítulo XXIV

Reabilitação

1.  Conceito de reabilitação

2.  Procedimento

3.  Recurso de ofício

4.  Comunicação ao Instituto de Identificação

5.  Revogação da reabilitação

Síntese

Capítulo XXV

Relações jurisdicionais com autoridades estrangeiras

1.  Fundamento constitucional

2.  Regras especiais

3.  Homologação de sentença estrangeira para efeitos penais

3.1  Formalidades para a homologação

4.  Carta rogatória

4.1  Conceito de carta rogatória

4.2  Outras diligências

4.3  Carta rogatória vinda do exterior

Síntese

 

Capítulo XXVI

Disposições gerais do processo penal

1.  Audiências dos juízos (ou Varas) e sessões dos tribunais

2.  Publicidade dos atos processuais em geral

3.  Comportamento em audiências

4.  Realização dos atos processuais

5.  Conceito de prazo e contagem

•  Ponto relevante para debate: O início da contagem quando a intimação for feita por mandado ou precatória

6.  Retirada dos autos de cartório

7.  Custas nos processos criminais

•  Ponto relevante para debate: A sucumbência e sua regulação no processo penal quanto à verba honorária

8.  Estatísticas criminais

Síntese

 

Capítulo XXVII

Execução penal

1.  Conceito de execução penal e individualização executória da pena

2.  Natureza jurídica da execução penal

3.  Autonomia do Direito de Execução Penal

4.  Humanização da execução penal

5.  Objetivos da pena e da medida de segurança

6.  Garantias processuais mínimas

7.  Aplicação da Lei de Execução Penal ao preso provisório

8.  Jurisdição ordinária e jurisdição especial

9.  Preservação de direitos não atingidos pela condenação

•  Ponto relevante para debate: Sobre o direito à visita íntima

10.  Direitos políticos

11.  Cooperação da comunidade na execução das penas

12.  Exame de classificação e individualização da pena

13.  Composição da Comissão Técnica de Classificação

14.  Deveres do condenado e do preso provisório

15.  Faltas do condenado e do preso provisório

•  Ponto relevante para debate: A posse de telefone celular e o princípio da legalidade na execução penal

•  Ponto relevante para debate: A falta grave e a vedação ao direito de visita

15.1  Regime disciplinar diferenciado

•  Ponto relevante para debate: A constitucionalidade do regime disciplinar diferenciado

15.2  Apuração das faltas e imposição de sanções

•  Ponto relevante para debate: A necessidade da defesa técnica ou da autodefesa para a apuração de falta grave

16.  Órgãos da execução penal

17.  Competência do juiz da execução criminal

18.  Atuação do Ministério Público na execução criminal

19.  Estabelecimentos penais

20.  Início da execução penal e desenvolvimento

20.1  Execução provisória da pena

20.2  Regressão

20.2.1  Regressão cautelar

20.3  Regras do regime aberto

20.3.1  Prisão albergue domiciliar

21.  Motivação das decisões do juiz

22.  Contraditório e ampla defesa na execução penal

23.  Saídas do condenado do estabelecimento penal

24.  Remição

25.  Livramento condicional

26.  Penas restritivas de direitos

•  Ponto relevante para debate: A inutilidade da pena de proibição do exercício de trabalho honesto

27.  Suspensão condicional da pena

28.  Pena de multa

29.  Medidas de segurança

30.  Incidentes de execução

30.1  Conversões

•  Ponto relevante para debate: O limite para a medida de segurança após a conversão da pena

30.2  Excesso ou desvio de execução

30.3  Anistia e indulto

31.  Caráter jurisdicional da execução criminal

32.  Recurso na execução penal

33.  Monitoração eletrônica

•  Ponto relevante para debate: A monitoração eletrônica e a dignidade da pessoa humana

Síntese

Bibliografia

OUTRAS OBRAS DO AUTOR

Dê a sua opinião sobre este produto preenchendo o formulário abaixo: (Todos os campos são de preenchimento obrigatório)

A Livrariart.com.br reserva o direito de não publicar comentários anônimos ou de conteúdo duvidoso. As opiniões aqui expressas não refletem necessariamente a nossa opinião. Opiniões que não forem exclusivamente sobre o produto também serão desconsideradas.

Pessoas que compraram esse produto também compraram:

  • DIREITO CIENCIAS AFINS V6 E DT PENAL... AVISE-ME
    DIREITO CIENCIAS AFINS V6 E DT PENAL...
  • Curso de Direito Constitucional... AVISE-ME
    Curso de Direito Constitucional...
  • Processo Penal Constitucional - 6ªEd. AVISE-ME
    Processo Penal Constitucional - 6ªEd.
  • CURSO AVANCADO PROC CIVIL V1 12ED... Comprar
    CURSO AVANCADO PROC CIVIL V1 12ED...
    Por: R$ 171,00 ou em 6x de R$ 28,50 sem juros no cartão de crédito
  • Curso Prático de Direito... AVISE-ME
    Curso Prático de Direito...

"Ofertas válidas enquanto durarem nossos estoques. Preços, condições de pagamento e frete válidos exclusivamente para compras efetuadas neste site, não valendo necessariamente para nossas lojas físicas. Todos os preços e condições comerciais estão sujeitos a alteração sem aviso prévio. As imagens dos produtos são meramente ilustrativas." A simples inclusão de um produto no "carrinho de compras" não implica na efetivação da compra. Desta forma, sempre prevalecerá o preço do produto vigente no momento da "finalização" da operação de compra pelo consumidor, no caso de alteração de preço entre a data de sua colocação do "carrinho de compras" e a efetivação da compra. A inclusão do produto no "carrinho de compras" também não implica em sua reserva pelo consumidor, estando o mesmo sujeito a eventual término dos estoques."